A maternidade de Nossa Senhora

A maternidade de Nossa Senhora

Por Fátima Emerson

Nossa Senhora foi perfeita, desde o primeiro sim, ao anjo, até o último instante, quando, aos pés da Cruz, Jesus disse ao apóstolo amado: “Eis aí a tua mãe” (Jo 19,27)

Em toda a sua vida, ela sempre foi fiel à Deus No momento da anunciação, ainda tão jovem, com alegria se colocou como “serva do Senhor” e ofereceu sua vida, abrindo espaço para que o Projeto de Deus se concretizasse. Após a visita do anjo, rumou apressadamente à casa de sua prima Isabel, que a saudou: “Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre”. (Lc 1,42).

Maria deu à luz num humilde estábulo, com José, cercados por animais. Os reis magos e os pastores, encontraram o Salvador nos braços de sua mãe.

“Maria conservava cuidadosamente todos esses acontecimentos e os meditava em seu coração” (Lc 2,19).

No momento da apresentação no templo, ouviu Simeão profetizar que o Filho viria a ser sinal de contradição e que uma espada traspassaria o coração da mãe.(Lc, 2,35)

Na fuga para o Egito, acompanhada de José e do pequenino Jesus em seus braços, em longa viagem, uma família unida, solidária no sofrimento.

Jesus cresceu em família, com sua mãe, presença amorosa e solidária. Aos doze anos, em Jerusalém, Jesus se perdeu, sendo encontrado três dias depois no Templo, sentado no meio dos doutores, ouvindo-os e interrogando-os. “E todos os que o ouviam estavam maravilhados da sabedoria de suas respostas” (Lc 2, 41-47)

“E Jesus crescia, em estatura, em sabedoria e graça, diante de Deus e dos homens” (Lc 2,52)

Mais tarde, na festa de casamento em Caná da Galileia, por intercessão dela, Jesus realiza um milagre e inicia sua vida pública. E as palavras de Maria são sábias; “Fazei o que ele vos disser”.

Hoje, Nossa Senhora, Santíssima Mãe de Deus, Mãe da Igreja e nossa sagrada Mãe, continua a interceder por nós no céu. Mas, a nossa relação de entrega filial à Nossa Senhora tem seu início em Jesus Cristo e está definitivamente orientada para Ele, único e verdadeiro mediador entre Deus Pai e os homens.

Só Jesus é o Salvador (At 4,12). Mas, foi com ela que Jesus escolheu vir a este mundo para nos salvar. Consagramo-nos à Jesus através de Maria.

No momento de sua morte, Jesus deixou-nos a sua mãe como nossa mãe. E, a partir desta maternidade, tornamo-nos filhos de Maria, irmãos uns dos outros e assim devemos nos comportar na vida cristã. Desde então, há uma íntima relação com cada um de nós, filhos de Deus, em todos os momentos de nossas vidas.

Nas palavras do Papa Francisco:
“Maria é a missionária que se aproxima de nós, para nos acompanhar ao longo da vida, abrindo os corações à fé, com seu afeto materno. Como uma verdadeira mãe, caminha conosco, luta conosco e nos aproxima incessantemente do amor de Deus”. (Evangelii Gaudium)

Celebremos portanto com o coração pleno de fé alegria e amor, o Mês Mariano, rezando com devoção e agradecendo a bênção de sermos seus filhos e filhas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.